teatro meia volta
e
depois à esquerda
quando eu disser
o público
vai ao
teatro

O Nome das Ruas / Alfredo Martins / 2006

alfredo-martins-nome-ruas-6

O Nome da Ruas - © Filipe Silva

1 / 7

O Nome da Ruas - © Filipe Silva

1 / 7

O Nome da Ruas - © Filipe Silva

1 / 7

O Nome da Ruas - © Filipe Silva

1 / 7

O Nome da Ruas - © Filipe Silva

1 / 7

O Nome da Ruas - © Filipe Silva

1 / 7

O Nome da Ruas - © Filipe Silva

1 / 7

“É um belo gesto o da equipa portuguesa de Alfredo Martins, do Porto: O Nome da Ruas compõe uma meditação tónica, que combina teatro, dança e vídeo, sobre as identidades – as solidões – urbanas modernas. […] do melhor que o Festival Premières deste ano oferece.”

 Antoine Wicker, DNA, 15/6/2008

 

O Nome das Ruas aborda a humanidade numa lógica de confissão. São pessoas paradas num tempo psicológico, testemunhos desarticulados e confusos sobre os desafios incríveis da pessoa. Tudo surge como um discurso de revelação de um “eu” interior, de uma verdade profunda sobre o que somos. É um retrato do anti-herói – o homem como ser de beleza e horror, capaz do inefável e do obsceno, oscilando entre a normalidade e a dissidência.

EQUIPA ARTÍSTICA

Direcção artística – Alfredo Martins
Co-criação e interpretação – Alfredo Martins, Sílvia Silva, Joel Reis, Bárbara Andrez/Patrícia Franco
Desenho de luz – Francisco Teles
Música e desenho de som – Rui Lima, Sérgio Martins
Figurinos – Sónia Santos
Vídeo – Sash
Produção executiva – Marina Freitas

CO-PRODUÇÃO

teatro meia volta e depois à esquerda quando eu disser, Teatro Helena Sá e Costa – Fundação IPP

ESTREIA

Novembro de 2006, Teatro Helena Sá e Costa, Porto

CIRCULAÇÃO

Janeiro de 2008, Teatro Carlos Alberto, Porto – Festival 30 por Noite
Junho de 2008, Teatro Nacional de Estrasburgo, França – Festival Premières – Jeunes Metteurs en Scène Européens

TEASER

teatro meia volta
e
depois à esquerda
quando eu disser
o público
vai ao
teatro