teatro meia volta
e
depois à esquerda
quando eu disser
o público
vai ao
teatro

Palmira / 2021 (em criação)

almeida duarte palmira

Palmira - © Júlia Nunes

1 / 1

A Rosa do Fontão teve um filho, o Joaquim, do Moreira e o Nelo, do Abílio da Grade. A Alzira teve um filho, o Zé, do Moreira. A Maria, do Leonor, teve uma filha, Inácia, filha do Portela, e o Alberto, filho do Moreira. E a Palmira teve um filho, Herculano, e uma filha, Joaquina, ambos filhos do Moreira. O Moreira teve 7 filhos; 5 ilegítimos e 2 legítimos.

Para a criação deste espectáculo partimos da memória da história de Palmira, a avó materna de Anabela. Palmira criou sozinha os dois filhos de pai “incógnito”, tornou-se uma mulher independente e autónoma, escolheu ter a profissão de costureira e recusou as propostas de casamento que lhe permitiriam repor a “honra social”. Alguns dos paradigmas que atravessam o percurso das mulheres estão concentrados nesta memória, ecoando dela múltiplas reverberações na actualidade. Neste espectáculo focamos o nosso olhar na identidade feminina em contexto peri-urbano e rural e, num sentido mais amplo, também em aspectos fundamentais das relações de género e familiares.

Que perspectivas têm as mulheres e os homens sobre o trabalho, a maternidade, o amor, o poder? Perante realidades sociais e políticas tão distantes, o que mudou, o que permanece? Há nos homens outras relações com a paternidade?

Rumamos ao Minho, ao Centro e ao Sul do país para conversar com mulheres e homens sobre o feminino, o masculino e a família, gizando deste modo as linhas dramatúrgicas com que se cose esta criação.

EQUIPA ARTÍSTICA

Direcção artística – Anabela Almeida e Sara Duarte
Interpretação e texto – Anabela Almeida e Sara Duarte
Apoio à pesquisa – Luís Godinho e Teresa Gentil
Desenho e operação de luz – Nuno Patinho
Espaço cénico e figurinos – Ângela Rocha
Som – Ricardo Freitas e Ricardo Ribeiro
Fotografia de cena – José Carlos Duarte
Produção executiva – Vanda Cerejo

CO-PRODUÇÃO

teatro meia volta e depois à esquerda quando eu disser, Festival Materiais Diversos

APOIO

Governo de Portugal – Ministério da Cultura/Direcção-Geral das Artes

RESIDÊNCIAS DE CRIAÇÃO

Comédias do Minho (Paredes de Coura), Lavrar o Mar (Aljezur e Monchique), Materiais Diversos (Cartaxo), Cultura em Expansão - Teatro do Frio (Porto)

ESTREIA

Outubro de 2021, Festival Materiais Diversos, Cartaxo

CIRCULAÇÃO

Novembro de 2021, Cultura em Expansão, Porto

teatro meia volta
e
depois à esquerda
quando eu disser
o público
vai ao
teatro